O drama de Oeiras do Pará

O município de Oeiras do Pará vive uma dramática situação: mais de 2.500 casos de malária nos primeiros cinco meses do ano. Significa que, só este ano, 10% da população já contraiu a doença. Ontem houve três mortes suspeitas.

Segundo o prefeito Edvaldo Nabiça Leão, a situação está “desesperadora” e o município aguarda há semanas que o Ministério da Saúde envie o medicamento Primaquina para a cidade.  Ele informa que, com o único  hospital de Oeiras foi interditado judicialmente há um ano,  e sem medicamentos, a solução foi improvisar: a Secretaria de Saúde do Município desocupou uma sala onde funcionava o programa Saúde a Distância. Agora, os doentes são levados para esse local e ali são hidratados. É a unica coisa que se pode fazer, dada a falta de medicamentos.

Na semana passada, o prefeito já havia pedido apoio ao meu gabinete para interceder junto ao Ministério da Saúde. Determinei à minha assessoria que procurasse o Ministério  e fomos informados que os remédios estavam em falta por um atraso na produção, feita pela Fiocruz. Entretanto, garantiram os técnicos do Ministério que os medicamentos estariam no município no dia 17 de maio, o que não aconteceu.

O secretário de Saúde do Município, Marinho Silva, lembra que  o governo do Estado se comprometeu a entregar  este mês o hospital, com as correções exigidas pela Justiça.  Mas, até agora, nem sinal. Com isso, o posto de saúde da cidade tem funcionado 24 horas por dia.

Quer ler outra má notícia?  O avanço da malária não se restringe a Oeiras do Pará. Outros municípios da região do Marajó, entre eles Anajás, Curralinho e Breves, já registram aumento dos casos da doença.

Veja como a malária tem crescido em Oeiras: em janeiro, a cidade registrou 9 casos; em fevereiro, 26; em março já estava em 330; abril bateu todos os recordes: 1.516 casos de malária. Até ontem, 662 novos casos da doença já haviam sido registrados.

Coloquei o post acima hoje, às 10 da manhã. Agora à tarde, minha assessoria foi informada que a regional do Ministério da Saúde entregou hoje 5 mil comprimidos de Cloroquina (e não o remédio que estava faltando, o Primaquina) em Oeiras do Pará. Vai servir para atender 500 pessoas durante vinte dias. Segundo o Ministério, com a falta do outro medicamento será tentado um novo esquema de tratamento.

Comentário meu: Enquanto o presidente Lula se deslumbra com suas tentativas de resolver o problema nuclear do mundo, os paraenses morrem à míngua por falta de medicação básica para uma doença conhecida há milênios. Lamentável.

Anúncios

Tags: , ,

5 Respostas to “O drama de Oeiras do Pará”

  1. Edevaldo Azevedo Says:

    Senhor deputado Nilson Pinto,

    A situação de Oeiras do Pará não se restringe somente à propagação epidemiológica da malária e sim decorre de vários outros fatores de caráter preventivo e administrativo. Como deve ser do conhecimento de V.S.ª, Oeiras do Pará foi campeão de irregualaridades na prestação de contas, segundo o TCU (salvo engano) no ano de 2007 sob a administração de Duclídio Pinheiro que descaradamente roubou (e não desviou) recursos destinados à saúde e demais políticas setoriais. Desde 2005 ou 2006 iniciaram-se as obras do hospital de Oeiras e até agora esta obra não foi concluída, obra do governo Ana Júlia; os índices de violência no município são alarmantes para uma população de 28 mil habitantes; Oeiras é rota de tráfico, basta observar o enriquecimento de algumas pessoas que não tem como declarar legalmente a aquisição de tais patrimônios (casas, comércios, chácaras, sítios, carros, motos etc.); também é rota da exploração sexual de crianças e adolescentes sem que nem o Ministério Público nem o Judiciário façam alguma coisa para combater; além de inúmeros casos de abuso sexual. Exponho estes dados a V.Ex.ª porque trabalhei neste município durante 03 anos e 05 meses e percebi o quanto o município está abandonado, aliás, o mesmo regredira socialmente com o aumento das mazelas sociais. Enquanto os gestores dos recursos públicos não forem punidos criminalmente pelos seus atos escandolosos de “desvio de verba”, como vocês fazem questão de salientar, o povo vai vivendo à míngua. A desgraça que ocorre em Oeiras é devido ao que ocorre na maioria dos municípios brasileiros: corrupção! Enquanto a chamada TRANSPARÊNCIA não for efetivada de fato e como dever dos gestores – e ainda assim estes darão um jeito de burlar a lei como sempre fizeram – viveremos, nós brasileiros, ostentando a provável posição de 5ª maior economia (ou potência) mundial, enquanto o povo padece por falta de efetivação de políticas públicas que consolidem a tão requerida cidadania com qualidade de vida e dignidade humana.
    Faça uma visita de pelo menos 02 dias em Oeiras do Pará e consulte o povo sobre o que está faltando em Oeiras e o senhor ficará impressionado…
    Abraços

    Edevaldo Azevedo
    Assistente Social

  2. Ana Lúcia Coelho Says:

    Sr. Deputado Nilson,
    É realmente caótica a situação que se encontra Oeiras do Pará, pois não há que realmente “olhe” por esse município, o que o amigo Edevaldo relata é real, pois a cidade está entregue digamos assim “ás moscas” e/ou porque não dizer “ás baratas”. Ninguém sabe Sr Deputado, e ninguém consegue ver o quê acontece na cidade? Agora o período está propício, pois eleição chegando, talvez sim aconteça aluma coisa por lá. No entanto a única coisa boa que apareceu por lá foi o Promotor Eduardo Falesi, e só, porque outra coisa nada mais. Sr. Deputado, espero que leia, digamos assim esse “apelo” e desculpa talvez por alguma grosseria pelas palavras, mas o momento é esse de repugnação, são muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiitos os fatores que levam este município ao estado que se encontra. E pasmem, quando o Sr. Prefeito está digamos assim está de “cabeça quente”, ele vai jogar futebol, ou um voley, só para relaxar, tá bom para cidade isso???Sou admiradora do Jango Vidal, e através dele que conheci seu trabalho, é por isso que votei no Sr. Deputado em eleição passada, mas agora penso que com esse contato, talvez tenha mais informações sobre aquela que se diz ser Oeiras do Pará, não nos deixe só, olhe por esse povo. Grata!!!

  3. Najara Mayla Says:

    Sr. Deputado Nilson Pinto,

    É evidente que o município de Oeiras do Pará passa por grandes dificuldades, assim também como é evidente que estas situações de agora são resultados de um processo histórico de expansão territorial acompanhada por uma cultura em que “derrubar e queimar a mata para construir suas roças é questão de subsistência”. Contudo a não articulações das políticas públicas e sociais a uma conjuntura de comprometimento com a gestão e suas amplitudes provocam surtos que infelizmente atingem a classe mais desprovida da sociedade. Pedir socorro é o necessário, mas isto não deve ser feito de forma a desarticular as inúmeras outras questões que se desenrolam neste processo. Não devemos pensar só a saúde por conta de surto de malária, mas também o meio ambiente, a habitação o saneamento básico, a cultura, os conflitos pela terra para extração da madeira, etc.
    Outrossim, infelizmente é somente nesses momentos que muitos olhares se voltam a nós, mas que depois dos 15 minutos de fama desaparecem e o esquecimento público continua. Até quando, quem sabe até o ano que vem num provável novo surto, precisamos de políticas públicas fortes e competentes.

    Najara Mayla
    Estudante de Serviço Social – UFPA
    Oeirense

  4. jose antonio Says:

    ola sou jose antonio sou paraense nasci em oeiras mas moram a 18 ano em brasilia df fico triste em ver um problema dese de saude em oeiras cidade que tenho grande carinho por ela e prefeito e vereadore nao tomar atitude nem uma e que sofre e populaçao grato

  5. Hemerson Says:

    SR DEPUTADO, E LAMENTAVEL E CRITICA A SITUAÇAO DE OEIRAS DO PARA , SOU FILHO DESTA TERRA MAIS MORO ESTUDO ADMINISTRAÇAO EM BELEM, ENQUANTO O TRIBUNAL DE CONTAS NAO AGILIZAR AS PRESTAÇÕES DE CONTAS DOS MUNICIPIOS OS CORRUPTOS POLITICOS TERAO TEMPO DE DESVIAR EM BENEFICIO PESSOAL TUDmO QUE PODERIA SER INVESTIDO EM PROL DAS COMUNIDADES, EXEMPLO E DEPUTADO O. TESOUREIRO DA PMO, NEM E FILHO DO LUGAR E POSSUI LANCHA EM VALOR ESTIMADO EM R$ 200.000,00 REAIS, UM ABUSO, AS LANCHAS DA PMO,PODERIA ESTA TRANSPORTANDO PROFISSIONAIS DE SAUDE PARA COLETAR MATERIAS COMO SANGUE E FAZER UM TRABALHO PREVENTIVO, OS ABUSADOS DO PODER FICAM CHARLANDO COM.O PATRIMONIO PUBLICO. DEPUTADO RESUMINDO O POVO DE OEIRAS PRINCIPALMENTE OS RIBEIRINHOS NÃO SÃO POBRES MAIS SIM MISERÁVEIS, TRISTE MAIS É IMPOSSÍVEL NÃO SER UMA VERDADE ,RESPONDA -ME DEPUTAD ATÉ QUANDO ET
    ES GESTORES FICARÃO IMPUNE? QUANDO TEREMOS UMA FISCALIZAÇÃO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: